7 de ago de 2010

Inocente, na frente da minha filha me prenderam...

Inocente, na frente da minha filha me prenderam... Queriam me calar, mas Deus quis o contrário.... Quanto mais tentam contra mim e o povo itamontense, mais afundam na lama que se meteram.....Minha filha caçula de oito anos entrou em casa, vindo da escola, por volta das cinco e meia da tarde e me disse “Pai tá cheio de polícia ai fora”, nisso abri a porte e dei de cara com o Dr. Rodolfo Rabelo Alves delegado de Itamonte, Dr. Bruno Delegado de Itanhandu, diversos PM e o PM Bremo Thamer com um cilindro de gás de pimenta erguido em direção aos meus olhos, e só não conseguiu seu intento porque minha esposa chegou e entrou na frente, o delegado disse que tinha uma ordem de prisão para mim por ter ameaçado o Dr. Fernando, minha esposa entrou em choque e minha filha começou a chorar, disse “Tudo bem”, não reagi e avistei duas viaturas da Polícia Civil, duas da policia militar, três carros descaracterizado (inclusive um Uno irregular dado ao policial Thamer pelo juiz) e quase vinte policiais em volta da minha casa para me prender, estavam maldosamente orientados pelo Dr. Fernando para me prender quando minha filha estivesse chegando da escola, já que sabia que ela é muito agarrada comigo, para eu poder reagir e eles me calarem...Não reagi e fui ali algemado, minha pequena filha chorando, gritava “Solta meu pai”, nesse momento lhe disse: “Não chora minha filha o Fernando também tem duas filhas e a Policia Federal tem algemas para ele”, Nesse instante o meu vizinho e amigo conhecido como "Paulo do Sal" que tudo ouviu o que falei, abraçou minha filha e a tirou para não ver a triste cena...Colocaram-me na viatura da polícia civil e passaram a revistar minha casa em procura de armas, logicamente não encontraram...Preso e algemado, fui conduzido para a cadeia de Passa Quatro, presídio de São Lourenço, Colocado no Hospício de Barbacena e finalmente depois de oitenta e seis dias, meu processo passar por cinco juízes, fui solto por um alvará de 14 pág., despachado pelo Dr. Pedro Jorge de Oliveira Neto, com ajuda dos Direitos Humanos da Assembléia Legislativa de MG, sai no maior sigilo, porque estava correndo risco de ser morto. Pelos presídios onde passei preso vigiado pelo serviço de inteligência e ouvido pela Polícia Federal.Da primeira noite na cadeia e até sair, a saudade das minhas filhas, esposa, familiares e amigos foram muitas. Não ouve uma noite sequer que não dormi com lágrimas nos olhos. Todos os dias como de costume, lia a bíblia e também á pedido para meus companheiros de cela que tenham dificuldade com a leitura, me segurei na minha fé em Deus, sempre fui tratado com dignidade pelos detentos...



Passados vinte e poucos dias da minha prisão, eu estava no Presídio de São Lourenço e minha esposa para deixar nossa filha de oito anos mais calma, tinha dito a ela que eu tinha fugido e estava na casa do meu advogado, mas como ela queria me ver de qualquer jeito estava cada dia mais abatida e falava que eu tinha morrido e não queriam contar para ela... Eu já não agüentava mais de saudades da minha caçula (as outras duas já tinham ido me visitar), até que num domingo dia de visita ela foi me ver...Estava sentado no pátio de visitas quando ela apontou, não tive forças para levantar, nem ela para correr em minha direção, até que não sei de onde ela tirou forças, correu ao meu encontro, me abraçou e por longos minutos ficamos assim.Cada visita que tinha aos domingos, ficava sabendo de mais processos que o Dr. Fernando colocava em mim e minha família e que quando meus familiares iam ao fórum pegar algum documento a Policia Militar os seguia na tentativa decoagilos..Minha filha mais velha no último ano de odontologia já desesperada com minha prisão, pedi á ela de presente, que não parasse com a faculdade e se formasse, pois faltavam só alguns meses, não sei como, mas ela reuniu forças e se formou. Minha filha do meio, melhor aluna da faculdade de direito teve que parar de estudar e perdeu um ano de faculdade, além do juiz a acusar de ter arranhado seu carro e processá-la, o juiz perdeu como sempre perdeu a ação. Apesar de estar com criminosos, um dia um dos lideres do PCC no Brasil que estava na minha cela por dois meses, me disse “Zé, aqui ninguém mente para nós, pois dormimos e acordamos olhando nos olhos do outro” e emendou “Você é inocente, vou mandar fazer o Juiz?”, claro que não disse, de jeito nenhum, Deus e a justiça vai cuidar dele....passado alguns meses já solto, mandou um dos seus me procurar para fazer o serviço, agradeci, avisei as autoridades competentes e como sempre, coloquei tudo nas mãos de Deus...Minha irmã me presenteou com um pequeno terço de uns vinte centímetros de comprimento, que ficava na cabeceira da minha cama no Presídio de São Lourenço, numa da revistas de rotina os agentes pegaram e jogaram fora, pois lá nem isso é permitido, esse meu amigo do PCC foi lá pegou o terço, me trouxe e disse parra os agentes, “da próxima vez mando matar você, e sua família”, os nervosos agentes, nunca mais tocaram naquele terço, meu amigo era o rei do presídio.Para se entrar no presídio é necessário uma humilhante revista, principalmente para as mulheres, constrangimento que passou minha família, foi muito triste e dolorido ver minha mãe chorando....... Em Barbacena onde fui mandado finalmente para fazer exame de Insanidade Mental, fiquei com pessoas das mais variadas demências, outros que se faz de louco para fugir da cadeia, no quarto que fiquei com mais de vinte internos não tinha televisão nem rádio, aparelhos que minha família providenciou e pude ver a alegria dos pobres internos.. Até que numa noite chegou o meu alvará de soltura, mas não sai, já que o Dr. Fernando estava ligando em Barbacena desesperado para o chefe de segurança para que eu não fosse solto, até que pela manhã ligou lá o ************e disse para a diretora do presídio "tem cinco minutos para liberar o José Custódio", porque em dez minutos vou expedir sua ordem de prisão e a Policia Federal estará ai para te prender...nunca vi tanta correria de agentes e lágrimas dos meus amigos que lá deixei de presente a TV e o rádio.....para um dia em breve conhecerem o Dr. Fernando Catapano.Quando saímos fomos orientados pelas autoridades para fazer um caminho diferente na volta e tomarmos certos cuidados.*Assim que possível conto outros detalhes...tristes detalhes...

Outro fato muito triste que aonteceu em Itamonte e fiquei muito emocionado, foram às lágrimas de uma mãe que perdeu sua jovem filha e até agora as autoridades preocupadas em me prender, não tiveram tempo de achar o assassino, assassina ou então assassinos.......da menor Cristiane...*

Um comentário:

CEZAR CANDUCHO disse...

Parabens Zé Custódio !!! Vc é um dos poucos HOMENS que ainda HONRAM a nossa classe !!! fke c/ DEUS !!!